26 de setembro de 2010

Chuva na Janela


Perdido mais uma vez, vendo a chuva cair, 
tento me recordar como é estar nos braços de alguém,
de como pode ser quente o aconchego,
de como pode ser doce amar e ser amado,
tento me recordar como seria,
mas me torno controverso,
 ao querer apagar de vez essa chama que se esconde em meu coração,
e transformar em cinzas essa doce solidão...

2 comentários:

Leandro Marinho Figueiredo disse...

Um dos meus preferidos!

giu batista disse...

melancólico o suficiente para comover quem assiste da platéia a brincadeira.